aponta que o cliente está cada vez mais preocupado com o seu entorno do que com os impactos mais pessoais. Ou seja: a saúde das pessoas em geral tem mais peso do que sua própria saúde. O mesmo efeito é observado na economia e perda de emprego. Estamos ficando mais altruístas? Talvez. O fato é que a crise do COVID-19 nos fez olhar mais para o lado do que para o próprio umbigo. A preocupação com a saúde tomou conta do consumo. Isso significa que as empresas devem mostrar que se importam com seus clientes – ou eles podem voltar para lá cada vez menos. Ainda no relatório da Accenture, podemos observar que, apesar das compras online terem aproveitado um crescimento expressivo, 80% das pessoas dizem se sentir mais conectadas aos negócios locais. E o que isso quer dizer para os anúncios nas redes? Que é hora de prestar mais atenção em como o seu cliente se relaciona com sua marca. Testes e aprendizado contínuo são a recomendação da vez. Por isso, incentive a experimentação em sua empresa: explore novos públicos, mostre que sua empresa se adaptou para melhor atendê-lo, busque mapear as diferenças de comportamento entre seu consumidor do ano passado para cá – e oferecer um serviço/produto na medida certa. Você pode se surpreender com os resultados. Diminuição dos investimentos em publicidade Seguir os passos apresentados no tópico acima, permitem aprender mais sobre seu cliente. E, por consequência, a gastar melhor para atingi-lo com publicidade. Os gastos diminuíram de 2020 para cá, assim como a capacidade do consumidor de gastar. Uma boa maneira de diminuir os gastos sem perder tanto alcance é deixar a Inteligência Artificial do Facebook ajudar você ou seu time de marketing. O entendimento das redes sociais sobre o perfil do público aumenta a cada dia. É possível usar isso ao seu favor, indicando as metas para a máquina e deixando que ela decida como vai posicionar o anúncio perante o público. Isso faz com que seu dinheiro passe a atingir mais pessoas e de maneira mais eficaz. E o melhor: você e seu time de marketing pode focar mais tempo na estratégia, conhecendo melhor seu público e criando produtos e serviços que funcionem melhor para ele. Engajamento inconsistente do consumidor Engajamentos no Facebook estão diminuindo – sim, ainda mais. Mudanças no algoritmo prometem mostrar o seu anúncio ou post orgânico mais estrategicamente, o que significa sacrificar o alcance para atingir pessoas que provavelmente vão gostar daquele conteúdo. Mas então por que o engajamento diminui? Há várias respostas para isso, mas a mais provável é que os anunciantes não se adaptaram bem. Ao invés de anunciar a um público genérico, as marcas têm de aproveitar o momento para focar ainda mais no que acreditam ser o seu público. Nada de perder dinheiro tentando convencer mais pessoas a se engajarem com seu conteúdo. A rede já vai mostrá-lo para quem tem interesse prévio de qualquer forma. O importante aqui é conversar melhor com essa pessoa, com postagens focadas ao invés de genéricas. No Instagram, o movimento foi um pouquinho diferente: apesar das mudanças de algoritmo serem similares ao do Facebook, o engajamento geral da rede subiu. A explicação é que provavelmente as pessoas tendem a ser mais seletivas na hora de se conectar com uma marca pelo Insta, facilitando o trabalho da IA e do marketing para reconhecer seu público – e falar com ele. Mudanças no Share of Mind Para quem não está familiarizado com o termo, share of mind é o quanto sua marca fica na cabeça das pessoas. É um valor bastante complicado de se mensurar. Afinal, uma empresa pode ser muito conhecida em determinado meio, mas desconhecida do grande público. No fim das contas, é você que tem de avaliar o que é mais importante. Apostar no reconhecimento do público em geral pode aumentar a autoridade de seu negócio, mas ser custoso demais. A dica aqui é um meio termo: no curto prazo, é muito mais interessante atingir especificamente o seu público. No longo, ser uma marca reconhecida gera mais interesse e uma possível fidelização. Aproveite o impulso que a pandemia deu para os pequenos negócios e se destaque em seu ramo de atuação, mostrando os seus diferenciais – e posteriormente, leve a sua marca para novos compradores que não fazem parte do seu nicho ainda. Afinal, oportunidades de negócio sempre é uma boa opção. Conclusão Os anunciantes têm de lidar com as mudanças rápidas de comportamentos, e isso impacta também o comportamento online. Todas essas dicas levam a um mesmo objetivo: fazer com que a sua empresa cresça e seja mais respeitada pelo público. Aprender sobre o que mudou de um ano para cá no comportamento é o primeiro passo. A partir daí, é possível gastar de maneira mais eficiente com publicidade. Aproveite as mudanças de prioridade no algoritmo para conversar com seus clientes e, assim, construir um share of mind mais consistente entre eles. É claro que você pode contar com a Pit para chegar lá! É só falar com gente! Te esperamos!">

Inside

Blog

26 . Fevereiro

Os desafios dos anúncios nas redes sociais em 2021

Já é senso comum afirmar que a pandemia alterou praticamente todos os cenários de nossa vida. E com os anúncios nas redes sociais, não é diferente. Para este texto, vamos considerar apenas Facebook e Instagram – que detêm o maior número de usuários. E os próprios desenvolvedores destas redes apontam ao menos quatro desafios para quem anuncia por elas: aprendizado, investimento, engajamento e share of mind.

Cada item requer uma atenção específica. Esperamos que, ao final do texto, você consiga ter uma ideia clara dos obstáculos e um caminho para superá-lo. Sem mais delongas, vamos ao primeiro tópico:

Aprendizados incertos sobre os mercados

Com a pandemia, uma empresa focada em seu ponto de venda, teve de adaptar. E o mesmo aconteceu com que oferece serviços. Na verdade, mesmo negócios focados em vendas apenas pela internet, tiveram de se organizar para aproveitar uma possível alta na demanda.

Seja qual for o modelo de atuação, é necessário estar atento ao seu público. Agora mais do que nunca. Isso porque o comportamento do consumidor mudou drasticamente de 2020 para cá. A Accenture, uma das referências mundiais no assunto, aponta que o cliente está cada vez mais preocupado com o seu entorno do que com os impactos mais pessoais. Ou seja: a saúde das pessoas em geral tem mais peso do que sua própria saúde. O mesmo efeito é observado na economia e perda de emprego.

Estamos ficando mais altruístas? Talvez. O fato é que a crise do COVID-19 nos fez olhar mais para o lado do que para o próprio umbigo. A preocupação com a saúde tomou conta do consumo. Isso significa que as empresas devem mostrar que se importam com seus clientes – ou eles podem voltar para lá cada vez menos. Ainda no relatório da Accenture, podemos observar que, apesar das compras online terem aproveitado um crescimento expressivo, 80% das pessoas dizem se sentir mais conectadas aos negócios locais.

E o que isso quer dizer para os anúncios nas redes? Que é hora de prestar mais atenção em como o seu cliente se relaciona com sua marca.

Testes e aprendizado contínuo são a recomendação da vez. Por isso, incentive a experimentação em sua empresa: explore novos públicos, mostre que sua empresa se adaptou para melhor atendê-lo, busque mapear as diferenças de comportamento entre seu consumidor do ano passado para cá – e oferecer um serviço/produto na medida certa. Você pode se surpreender com os resultados.

Diminuição dos investimentos em publicidade

Seguir os passos apresentados no tópico acima, permitem aprender mais sobre seu cliente. E, por consequência, a gastar melhor para atingi-lo com publicidade. Os gastos diminuíram de 2020 para cá, assim como a capacidade do consumidor de gastar.

Uma boa maneira de diminuir os gastos sem perder tanto alcance é deixar a Inteligência Artificial do Facebook ajudar você ou seu time de marketing. O entendimento das redes sociais sobre o perfil do público aumenta a cada dia. É possível usar isso ao seu favor, indicando as metas para a máquina e deixando que ela decida como vai posicionar o anúncio perante o público.

Isso faz com que seu dinheiro passe a atingir mais pessoas e de maneira mais eficaz. E o melhor: você e seu time de marketing pode focar mais tempo na estratégia, conhecendo melhor seu público e criando produtos e serviços que funcionem melhor para ele.

Engajamento inconsistente do consumidor

Engajamentos no Facebook estão diminuindo – sim, ainda mais. Mudanças no algoritmo prometem mostrar o seu anúncio ou post orgânico mais estrategicamente, o que significa sacrificar o alcance para atingir pessoas que provavelmente vão gostar daquele conteúdo. Mas então por que o engajamento diminui?

Há várias respostas para isso, mas a mais provável é que os anunciantes não se adaptaram bem. Ao invés de anunciar a um público genérico, as marcas têm de aproveitar o momento para focar ainda mais no que acreditam ser o seu público. Nada de perder dinheiro tentando convencer mais pessoas a se engajarem com seu conteúdo. A rede já vai mostrá-lo para quem tem interesse prévio de qualquer forma. O importante aqui é conversar melhor com essa pessoa, com postagens focadas ao invés de genéricas.

No Instagram, o movimento foi um pouquinho diferente: apesar das mudanças de algoritmo serem similares ao do Facebook, o engajamento geral da rede subiu. A explicação é que provavelmente as pessoas tendem a ser mais seletivas na hora de se conectar com uma marca pelo Insta, facilitando o trabalho da IA e do marketing para reconhecer seu público – e falar com ele.

Mudanças no Share of Mind

Para quem não está familiarizado com o termo, share of mind é o quanto sua marca fica na cabeça das pessoas. É um valor bastante complicado de se mensurar. Afinal, uma empresa pode ser muito conhecida em determinado meio, mas desconhecida do grande público. No fim das contas, é você que tem de avaliar o que é mais importante. Apostar no reconhecimento do público em geral pode aumentar a autoridade de seu negócio, mas ser custoso demais.

A dica aqui é um meio termo: no curto prazo, é muito mais interessante atingir especificamente o seu público. No longo, ser uma marca reconhecida gera mais interesse e uma possível fidelização. Aproveite o impulso que a pandemia deu para os pequenos negócios e se destaque em seu ramo de atuação, mostrando os seus diferenciais – e posteriormente, leve a sua marca para novos compradores que não fazem parte do seu nicho ainda. Afinal, oportunidades de negócio sempre é uma boa opção.

Conclusão
Os anunciantes têm de lidar com as mudanças rápidas de comportamentos, e isso impacta também o comportamento online. Todas essas dicas levam a um mesmo objetivo: fazer com que a sua empresa cresça e seja mais respeitada pelo público.

Aprender sobre o que mudou de um ano para cá no comportamento é o primeiro passo. A partir daí, é possível gastar de maneira mais eficiente com publicidade. Aproveite as mudanças de prioridade no algoritmo para conversar com seus clientes e, assim, construir um share of mind mais consistente entre eles.

É claro que você pode contar com a Pit para chegar lá! É só falar com gente!

Te esperamos!

Os desafios dos anúncios nas redes sociais em 2021 | Pit Brand Inside